!

!

Wednesday, February 29, 2012

Arriscar é: Quaresmar 3

Em todos os momentos da vida, realiza um trabalho importante
quem nos aponta as dificuldades de suas vidas e o esforço que fizeram
para as superar.
A nossa fragilidade encoraja-se ao vê-los construirem o edificio
da perfeição com o mesmo barro que nós.
(adaptado)

Tuesday, February 28, 2012

Arriscar é: Quaresma 2

Existe hoje uma certa distração no cuidado que se deve ter com as relações. A Quaresma é um tempo para afinar a relação. Trabalhemos alguns aspectos:


1. Ressentimento.
Esse é um veneno que começa pequeno ("Ele não substitui o rolo de papel higiênico..." ou "Ela não lava o prato depois de comer...") e vai crescendo até ficar enorme. O ressentimento é perigoso porque geralmente  não percebemos que estamos ressentidos, e nosso companheiro não entende que há algo errado. Se sentir que este estado já se apoderou de si, precisa endereçá-lo rapidamente, antes que fique pior. Corte-o pela raiz enquanto ainda é pequeno.
Há duas boas maneiras de lidar com ressentimento.
A primeira: respire fundo e simplesmente deixe o sentimento ir embora - aceite o seu outro como ele é, incluindo as falhas (ninguém é perfeito).
A segunda: fale com o ele/ela sobre isso, se não dá para lidar com isso, e tente vir com uma solução alternativa que possa funcionar para ambos (não só para si). Tente falar sem confrontar e sim de um jeito que expresse como se sente sem ser acusatório.
2. Ciúmes.
É difícil controlar o ciúme. O problema é começar. Ele parece acontecer por si mesmo, fora do nosso controle. De qualquer forma, o ciúme - assim como o ressentimento - é um veneno para uma relação a dois. Um pequeno ciúme tudo bem, mas quando chega a um certo nível de necessidade de controlar o seu parceiro, ele transforma-se em brigas desnecessárias, que deixam ambos infelizes. Se tem problemas com ciúmes, em vez de tentar controlá-lo, é importante que examine e faça um acordo com a raiz do problema, a insegurança. Essa insegurança pode estar ligada à sua infância (por ex: com  abandono dos pais), um relacionamento anterior em que se feriu, ou em incidentes passados desse mesmo relacionamento.
3. Expectativas não realistas.
Frequentemente nós temos uma ideia de como os nossos deveriam ser. Nós esperamos que sejam limpos, ponderados, que sempre pensem em nós primeiro, que nos surpreendam, nos suportem, que sejam sempre sorridentes, tolerantes, que trabalhem duro e não sejam preguiçosos. Não necessariamente essas expectativas, mas quase sempre temos expectativas para os nossos parceiros. Ter alguma expectativa é bom - nós deveríamos esperar que o nosso parceiro seja confiável, por exemplo. Mas alguma vezes, sem perceber, nós criamos expectativas muito altas... O nosso parceiro não é perfeito - ninguém o é! Não podemos esperar que eles sejam carinhosos e amorosos a cada minuto de cada dia. Toda a pessoa muda de humor. Não podemos esperar que eles sempre pensem em nós, já que eles, obviamente, vão também pensar neles ou noutros nalgummomento. Não podemos esperar que eles sejam exactamente como nós somos, já que cada um é cada um. Expectativas muito altas levam a desapontamento e frustração, especialmente se não comunicamos ao outro essa expectativa. Como podemos esperar que nosso o parceiro atinja essas expectativas se eles nem sabem delas? O remédio é baixar as nossas fasquias - deixar os nossos parceiros serem eles mesmos, e aceitá-los e amá-los por isso. As expectativas básicas que nós mantivermos devem ser comunicadas claramente.
4. Não ter tempo.
Esse é um problema de casais que têm filhos, mas também de outros casais que são "agarrados" pelo trabalho, hobbies, amigos e famílias ou outras paixões. Casais que não passam tempo sozinho juntos criam um abismo entre si. E embora passar tempo juntos com os filhos, amigos ou família seja bom, é importante também passar algum tempo só o casal. Não consegue achar tempo com tudo o que enche a sua vida de obrigações - trabalho, filhos e outras coisas? Crie tempo. É fundamental: crie tempo! Isso pode ser feito. Começa na sua cabeça a certeza de que as horas com a sua parceira/o é uma prioridade, e sempre que possivel, adiar qualquer coisa para ter esse tempo. Não é fácil – mas é possível! Não precisa ser uma saída cara - algum tempo na natureza  fazendo exercícios juntos, assistir a um filme e fazer um jantar a dois, todas são boas opções. E quando estiverem juntos, faça um esforço para se conectarem, não apenas estarem juntos.
5. Falta de comunicação.
Esse pecado afecta todos os outros nesta lista e está, muitas vezes, na sua origem. A boa comunicação é fundamental para um bom relacionamento. Se tem ressentimento, deve conversar sobre isso em vez de deixar o ressentimento crescer. Se é ciumento, deve abrir o jogo e ser honesto ao expor a sua insegurança. Se tem expectativas, deve dizê-las ao seu companheiro. Se existem problemas, deve dizer e trabalhar para solucioná-los. Comunicação não quer dizer apenas falar ou "brigar" - a boa comunicação é honesta sem ser acusatória. Comunique os teus sentimentos - frustração, desculpa, medo, tristeza, alegria - em vez de criticar. Comunique um desejo para trabalhar numa solução que funcione para ambos, um compromisso, em vez de uma necessidade de fazer o outro mudar. E comunique mais do que apenas problemas - comunique também as boas coisas.
6. Não demonstrar gratidão.
Algumas vezes não existem problemas reais num relacionamento, como ressentimento, ciúme ou expectativas altas, mas há também a não-expressão de coisas boas relativas ao outro. Essa falta de gratidão e apreciação é tão má quanto os demais problemas, porque sem ela o teu parceiro vai sentir que você está com ele por compaixão. Toda a pessoa quer ser apreciada pelo que faz. E apesar de poder ter alguns problemas com o que o seu companheiro faz,  deveria também realizar que o seu parceiro também faz coisas boas. Ele lava os pratos ou cozinha algo que você gosta? Ele ajuda-o ou alivia o seu trabalho? Tire um tempo para dizer obrigado, dê um beijo e um abraço. Essa pequena atitude pode levar a um belo caminho.
7. Falta de afecto.
Similarmente, tudo o mais pode estar indo bem, incluindo a expressão de gratidão, mas se não existe afecto entre os parceiros então há um sério problema. Com efeito, o relacionamento está indo em direção a um amor platônico. Isso pode ser melhor do que muitos relacionamentos com problemas sérios, mas não é uma coisa boa. Afecto é importante - todo o mundo precisa de um pouco, especialmente vindo de quem amamos. Tire um tempo, todos os dia, para dar atenção à sua cara metade. Faça uma festa quando ele ou ela chegar a casa do trabalho, dê um grande abraço. Acorde-o com um beijo apaixonado.  Massageie suas costas enquanto ele/a vê TV. Sorria sempre.
8.Teimosia.
Todo o relacionamento terá problemas e discussões - mas é importante que aprenda a resolvê-los depois de baixar a guarda um pouco. Infelizmente, muitos de nós são tão teimosos até para falar sobre isso. Talvez nós sempre queiramos estar certos, ter a razão toda. Talvez nós nunca queiramos admitir que cometemos um erro. Talvez nós não gostemos de pedir desculpas. Talvez nós não gostemos de nos comprometer. Quando damos conosco sendo teimosos é bom pensar nisso como uma infantilidade e deixar meu ego de lado e pedir desculpas. Falamos sobre o problema e tentamos solucioná-lo. Não tenha medo de ser o primeiro a pedir desculpas. Às vezes mesmo tendo razão. Depois deixe isso no passado e vá para as boas coisas.
(Adaptado)

Monday, February 27, 2012

Arriscar é: Quaresmar 1

"Quero dizer-lhes que a santidade neste mundo se cifra apenas nisto:
ofertar a Jesus as flores dos pequenos sacrificios e
cativá-lo a poder de carícias.
Assim é que o cativei, e por isso é que hei-de obter d'Ele o bom acolhimento que espero."
(in Sta. Teresinha, história de uma alma, 290)

Monday, February 20, 2012

Arriscar é: envelhecimento activo

 "A Dona Maria é uma senhora de 92 anos,  miúda, e tão elegante, que todos os dia às 08 da manhã ela já está  toda  vestida, bem penteada e discretamente maquilhada,  apesar da sua pouca visão.
E hoje ela  mudou-se para uma casa de repouso: o marido, com quem ela viveu 70 anos, morreu recentemente, e não havia outra  solução.
Depois de esperar pacientemente durante duas horas na sala de visitas, ela ainda deu um lindo sorriso quando lhe vieram dizer que seu quarto estava pronto.
Enquanto ela manobrava o andarilho em  direcção ao elevador, fui-lhe dando uma descrição do seu minúsculo quartinho, inclusive das cortinas floridas que enfeitavam a janela.

Ela  interrompeu-me com o entusiasmo de uma criança que acabou de ganhar algo que desejava muito.
- Ah, eu gosto muito dessas cortinas...
-  Dona Maria, a senhora ainda nem viu o seu quarto... Espere um  pouco...
- Isso não tem nada a ver  -respondeu ela; a felicidade é algo que você decide por  princípio. Se eu vou gostar ou não do meu quarto, não  depende de como a mobília vai estar arrumada... Vai depender de como eu preparo  as minhas expectativas.
E eu já decidi que vou gostar. É uma decisão  que tomo todos os dias quando acordo.

Sabe, eu  posso passar o dia inteiro na cama, contando as dificuldades que tenho  em certas partes do meu corpo que não funcionam bem. Ou posso  levantar-me da cama agradecendo pelas outras partes que ainda me obedecem e estão boas.
- Assim tão simplesmente?
- Nem por isso! Isto é para quem tem  autocontrole e todos podem aprender. Exigiu e exige de mim um certo 'treino' pelos anos fora, mas é  bom saber que ainda posso dirigir meus pensamentos e escolher, em  consequência, os meus sentimentos.

Calmamente ela continuou:
-  Cada dia é um presente, e enquanto meus olhos se abrirem, vou focalizar o novo dia, mas também as lembranças alegres que eu guardei para esta época da vida. A velhice é como uma conta bancária: você só retira aquilo que guardou. Então, meu conselho para si é: depositar muitas alegrias e felicidade na sua Conta de Lembranças. E, aliás, obrigada  por este seu depósito no meu Banco de lembranças. Como vê, eu ainda
continuo depositando e acredito que, por mais complexa que seja a vida,  sábio é quem a simplifica".

(Adaptado)

Monday, February 13, 2012

Arriscar é: ser saudável

Para se ser saudável temos que nos cuidar.
E deixar que os outros nos cuidem.
Com o passar dos anos e com o facto de nos irmos conhecendo melhor,
vamos aprendendo e ensinando o que é necessário para sermos saudáveis.
A saúde é uma questão intimamente ligada às nossas relações.
A relação connosco, a relação com os outros, com a natureza, com Deus.
Sem harmonia e equilibrio e paz nestas relações não há saúde.
A saúde é algo que envolve todo o nosso ser e tudo o que o nosso ser envolve.

Wednesday, February 08, 2012

Arriscar é: expulsar

Expulsar demónios é algo fácil e dificil.
Precisamos identificá-los e perceber o que realmente nos atormenta.
Seremos todos atormentados. Uns mais outros menos. Mais hoje ou mais ontem...


Depois de identificados importa distinguir os reais dos ilusórios. Muitos não passam
de ideias  que surgem de receios e preocupações.
A maioria apoderam-se de nós pelo medo e insegurança que sentimos em determinado momento.


Esse tormento pode acompanhar uma vida inteira a nossa pessoa.
Se a fé pode ajudar a expulsar esses demónios o que tem mais força é o amor.
Só a força do amor pode ajudar expulsar o que tantas vezes nos atormenta.
Amando-nos bem e amando bem os outros podemos fazer grandes milagres. E só com uma palavra de amor e confiança podemos
continuar o trabalho de Jesus que onde passava expulsava os demónios.

Tuesday, February 07, 2012

Arriscar é: um momento

Hoje define-se a felicidade como um conjunto de momentos.
Se quando temos de esperar, um momento pode parecer uma eternidade,
quando se trata de algo agradável, um momento passa a voar.
O que sabemos é que há momentos que fazem toda a diferença.
Esses momentos em que resolvemos parar para coisas que são importantes
para nós e para os outros.
Momentos para respirar, parar, ligar, descansar, amar, abraçar, saudar...
Um pequeno momento pode fazer toda a diferença.
Esta semana tira tempo para um bom momento com...

Thursday, February 02, 2012

Arriscar é: já

Como uma palavra pode ser tão pequena e tão marcante mediante o uso que dela fazemos.
Pode aquietarnos ou inquietar-nos.
Se dissermos: já está! pode significar um grande alivio.
Se dissermos: justiça já! pode gerar reboliço.
Penso que necessitamos de a juntar a outras palavras
que necessitam da força que ela imprime:
...começar;
...mudar;
...resolver;
...viver;
...

Cada um pode dizer algo do género a si mesmo e já!...